Kelma Beltrão (UFPE, Faculdade Metropolitana), Danilo
Streck (UFRGS), Geraldo Barroso (UFPE)

A professora Kelma Beltrão participou, na última semana, do Seminário sobre os 50 anos do MCP (Movimento de Cultura Popular) que ocorreu em Recife de 1960 até 1964. O objetivo do MCP foi promover a educação, arte e cultura no município de Recife, através de atividades desenvolvidas por José Wilker, Paulo Freire, Paulo Rosas, Francisco Brennand, Abelardo da Hora, Germano Coelho, Miguel Arraes, Ariano Suassuna, entre outros.
O seminário ocorreu na UFPE e contou com a participação de Germano Coelho, Abelardo da Hora, além de outros, como os professores doutores da UFPE Silke Weber (ex-secretária de Educação do estado de Pernambuco) e Flávio Brayner (ex-secretário adjunto de Educação do Recife).
A professora Kelma, doutoranda da UFPE, participou de uma mesa redonda sobre a história do MCP, ao lado dos professores doutores Danilo Streck (UFRGS), André Ferreira (UFPE) e Geraldo Barroso (UFPE).
Criticando o discurso historiográfico sobre o MCP, a fala da professora Kelma teve como base a crítica discursiva indicada por Michel Foucault, bem como as discussões sobre memória e história de Pierre Norra. O discurso da professora criticou as opções teoricas e trato documental desenvolvido nas pesquisas sobre o MCP de Silke Weber e João Francisco de Souza nos anos oitenta. A orientação da professora para o público que a assistia era que questionassem as “verdades” construidas sobre o MCP, assim como sobre a História da Educação.